Sobre o Kyudo

Kyudo: O Caminho do Arco

Kyudo, ou “O Caminho do Arco” (弓道), é a tradição japonesa de arco e flecha, distinguindo-se pela sua forma única e técnica ritualizada de tiro. É uma prática que procura a harmonia entre o arqueiro, o arco e a flecha, uma procura que transcende a mera ação física.

Origens na Cultura Samurai

Tendos as suas raízes profundamente entrelaçadas com a classe dos samurais no Japão feudal, o Kyudo, inicialmente conhecido como Kyūjutsu, era uma arte essencialmente vinculada ao contexto militar. No entanto, com a introdução de armas de fogo pelos portugueses, avanços tecnológicos e o declínio da classe samurai, a relevância do arco como arma diminuiu, levando ao desuso e obsolescência.

Prática Moderna para Desenvolvimento Pessoal

Atualmente, o Kyudo evoluiu para uma prática que enfatiza o desenvolvimento pessoal, colocando uma grande ênfase na cerimônia, ritual e etiqueta. Embora tenha transcedido em grande parte suas raízes marciais, diversas escolas ainda mantêm focos diferentes. Enquanto algumas exploram os aspetos estéticos e espirituais, outras enfatizam eficiência e técnica.

Embora as abordagens possam variar, há uma verdade fundamental no Kyudo: a prática do arco e flecha transcende a mera habilidade técnica. Dentro da quietude do arco estendido e da flecha liberada, exploramos aspectos profundos da mente e do espírito. É um caminho que vai além da destreza física, convidando à contemplação e à sintonia com o momento presente.

A precisão no Kyudo não se trata apenas de acertar o alvo, mas de atingir a harmonia interior. Cada tiro é uma busca, não apenas pela perfeição técnica, mas pelo equilíbrio interno. Essa jornada interior, muitas vezes desafiadora, transforma o Kyudo de uma simples prática de arco e flecha (Kyūjutsu) em um verdadeiro Caminho — um Caminho que não só molda a trajetória da flecha, mas também a do praticante, promovendo uma conexão profunda entre o corpo, espírito e mente.

O Propósito

Como pode ser intuído, o objetivo do Kyudo vai para além de acertar no alvo. A procura é mais profunda…

Através da bondade, da sinceridade e da modéstia, da cortesia e do respeito, da disciplina e da reflexão, procuramos uma Virtude Plena. Não apenas no tiro, mas nas nossas próprias vidas.

De acordo com a ANKF – All Nippon Kyudo Federation, o objetivo supremo do Kyudo é atingir o estado de Shin-Zen-Bi (真善美), ou Verdade-Bondade-Beleza:

Shin

Verdade

Um tiro sincero e correcto é
sempre certeiro, livre de engano e
malícia. Com cada flecha existe
uma aproximação gradual da
Verdade.

Zen

Bondade

A Bondade é a manisfestação da
ética do Kyudo. Não se promove
confilto, hostilidade ou vingança,
mas sim um espírito virtuoso e
respeito para com todos os seres.

Bi

Beleza

A Beleza reside na Verdade e na
Bondade. A conciliação da
harmonia, serenidade e de um
espírito virtuoso produz um tiro
naturalmente belo.

O Legado do Raiki-Shagi


“O tiro, com o ciclo de movimentos de avançar ou retroceder nunca o poderá ser sem cortesia e decoro (Rei). Depois de ter adquirido a correcta intenção interior (emocional e mental) e a exacta postura na aparência exterior (corporal), o arco e flecha podem ser manuseados resolutamente. Atirar desta forma é realizar um tiro com sucesso, e através deste a virtude do tiro será evidenciada. O Kyudo é uma via para o apuramento da virtude plena. No tiro, cada um precisa de procurar a correcção em si mesmo. Com a rectidão em si próprio, o tiro pode ser realizado. No momento em que o tiro falha, não deve haver qualquer ressentimento para com aqueles que são bem sucedidos. Pelo contrário, esta é uma ocasião para se procurar a si próprio.”

Raiki-Shagi

Este breve escrito explora a postura que o praticante de Kyudo deve adotar, destacando as qualidades essenciais para a prática desta arte. Ao preservarmos tais valores durante a nossa prática, caso uma flecha seja disparada sem sucesso, não devemos atribuir a culpa a outros pela nossa falha. Antes pelo contrário, é imperativo procurar diligentemente a origem da falha por meio da reflexão e instrução de outros. Dessa forma, o Kyudo revela-se como uma disciplina que promove o cultivo da mente e virtudes fundamentadas nessas tradições.

É crucial manter sempre presente esses valores como uma fonte inspiradora para a nossa atual comunidade de praticantes de Kyudo.


Equipamento

Yumi (弓)

O arco japonês é um arco longo, com dimensões superiores a 2,20m. A sua forma e constituição fixou-se durante os séc. XIV e XV, altura em que foram introduzidas as últimas alterações significativas na técnica do tiro com arco e na construção dos mesmos.

Tradicionalmente é feito de bambu em lamelas compostas que são coladas entre si, processo que lhe confere as suas características únicas de resistência e flexibilidade. Os arcos de bambu podem ser simples ou lacados. A utilização de um arco de bambu por principiantes não é recomendada pois o excessivo esforço de torção que lhe é imposto pode causar a rutura e desagregação das lamelas do arco. No séc. XX surgiram arcos de materiais compósitos como a fibra de vidro e o carbono, que são hoje em dia utilizados no Japão para a iniciação e para a prática corrente do Kyudo.

A forma do arco japonês é única pois é assimétrica, o que lhe confere uma beleza singular e o tornou num objeto de veneração no Japão. Uma boa parte da evolução do Kyudo nos últimos séculos deve-se precisamente à veneração e consequente manutenção da forma do arco japonês, exigindo particularidades técnicas para atingir o objetivo de acertar no alvo. Ao contrário dos arcos de outros países, não foi o arco que se alterou para se tornar mais eficaz, foi o homem, a sua postura e a técnica que evoluíram em função das exigências que o arco coloca. Em certa medida, a beleza inspirada da forma do arco, tem levado ao aperfeiçoamento da técnica do Kyudo, conduzindo o praticante na sua postura a alcançar uma relação de harmonia e beleza formal com do arco.

Ya (矢)

As flechas de Kyudo são relativamente longas (90-105 cm) devido à forma de abertura do arco durante o tiro. São tradicionalmente construídas em bambu, mais especificamente Pseudosasa Japonica (também conhecido como Yadake), com ponteiras de aço. O bambu é colhido quando tem cerca de 2 anos de idade e é deixado a secar por um período de 2 a 3 anos. Originalmente, penas naturais de aves de rapina eram utilizadas, sendo o nock feito com chifre de cabra ou veado.

Nas últimas décadas têm sido feitos esforços para proteger e preservar estas espécies de aves e tornar o fabrico de flechas mais sustentável. Para este efeito, recorre-se então às penas de aves mais comuns, como por exemplo o peru e os tubos das flechas são feitos de alumínio ou carbono, sendo os nocks de plástico/resina.

O tamanho das flechas, denominado de yashaku (矢尺), depende do yazuka (矢束) de cada arqueiro, isto é, o comprimento da abertura do arco, único a cada arqueiro. A procedimento geral para encontrar o comprimento adequado da flecha é estender completamente o braço e a mão e medir desde centro da garganta até à ponta dos dedos, adicionando uma margem de segurança de 5 a 10 centímetros.

Mato (的)

O tiro standard, a 28 metros, chama-se Kinteki (近的) – lit. alvo próximo. O alvo tem 36 cm de diâmetro e consiste num aro de madeira (matowaku – 的枠) revestido com papel branco impresso (matogami – 的紙) com círculos concêntricos negros.

Kasumi-Mato (霞的) – Alvo bruma
Três faixas negras e tem o cento branco, sendo este o alvo mais utilizado.

Hoshi-Mato (星的) – Alvo estrela
Um único círculo negro impresso no centro do alvo, apenas utilizado nos treinos.

Normalmente o Mato é colocado 9cm acima do nível do solo, num espaldão de terra inclinado chamado de Azuchi (安土) que serve de proteção e suporte. Existem outras formas de tiro a distâncias maiores (por exemplo, Enteki – 遠的, a 60m, com alvos maiores e também de formatos não circulares. As formas de tiro a distâncias superiores têm aspetos técnicos e de postura diferentes do tiro à distância de 28 metros.

Yugake (喋)

A luva para a mão direita, também conhecida pela abreviatura de Kake, é um dos requisitos para a prática do Kyudo e destina-se  segurar a corda e a flecha. Sem ela toda a forma de atirar teria que ser diferente. As luvas de Kyudo são feitas em pele de veado e têm uma proteção rígida no dedo polegar. Existem três tipos:

  • Mitsugake – Luva de três dedos (polegar, indicados, e médio)
  • Yotsugake – Luva de quatro dedos (polegar, indicados, médio e anelar)
  • Morogake – Luva completa com cinco dedos.

As diferentes luvas implicam algumas pequenas diferenças na técnica do Kyudo, sem alterarem nenhum dos seus aspetos que constituem o seu fundamento.

A luva é sempre usada em conjunto com uma outra, de proteção interior, feita em algodão branco.

Tsurumaki (弦巻)

Destinado à arrumação e ao transporte de uma corda sobresselente, o Tsurumaki tem a forma circular, é tradicionalmente feito em vime e faz-se acompanhar do Giriko ire (粉入れ), um pequeno recipiente talhado em cana, madeira ou chifre, contendo resina de pinheiro cozida designada por Giriko (ギリ粉), que é utilizado na regulação do atrito do dedo na luva de couro.

Kyudogi (弓道着)

A roupa a utilizar no Kyudo. Consta dos seguintes elementos:

  • Kyudogi (弓道衣) – Camisa de Kyudo; normalmente em algodão de cor branca.
  • Kimono (着物) – Camisa e casaco para tiros formais em vez do anterior kyudogi.
  • Hakama (袴) – Saia-calção japonês de cor preta ou azul escuro, exceto quando usado com Kimono em que poderá ter outras cores e padrões.
  • Obi (帯) – Cinto que se usa sob o Hakama. No Kyudo, ao contrário do que acontece noutras artes marciais japonesas tradicionais, não existe qualquer sistema de cores dos cintos relacionado com a graduação do praticante.
  • Tabi (足袋) – Sapato-meia em tecido branco que, devido ao seu recorte junto ao dedo grade do pé, permite calçar os chinelos

Makiwara (巻藁)

Rolo de palha de forma cilíndrica com cerca de 60 cm de diâmetro colocado na horizontal sobre um suporte para treino do tiro a curta distância, de 1 a 2 metros. A sua utilização é fundamental para a evolução na prática do tiro, qualquer que seja o nível do praticante. Existem algumas cerimónias de tiro que são executadas no Makiwara. Em tempos recuados o rolo era colocado na vertical para simular um tronco humano.

Koyama Kyugu (小山弓具)

A prestigiada loja de material de Kyudo Koyama Kyugu foi a principal fornecedora de material e equipamento do Mestre Yokokoji. Um produtor e comerciante com afinidades à escola Ogasawara que desde o início da prática do Kyudo em Portugal  tem fornecido a maior parte dos equipamentos e materiais utilizados pelos praticantes portugueses. Infelizmente, o site da loja não tem uma versão portuguesa ou inglesa e os contactos são difíceis sem um interlocutor.

Kyudojo 弓道場


O dojo, mais propriamente o kyudojo, é o local onde se pratica o tiro com arco japonês. Na sua forma tradicional comporta duas zonas principais, o Shajo, que é o local onde os praticantes executam o tiro, e a Matoba ou Azuchi, que é o local onde estão os alvos. Existem outras áreas que em conjunto com as primeiras, observam a estrutura de um templo xintoísta.

Existem dois tipos de Kyudojo, os Kinteki-dojo (tiro a curta distância – 28m) e os Enteki-dojo (tiro a longa distância – 60m). Nas competições podem usar-se os dois tipos de dojos, mas nos exames Kyudo, nos Shinsa,  apenas se usam os Kinteki-dojo.

Kyudo e o Tiro com Arco Ocidental

Uma das principais diferenças entre as duas modalidades reside na forma e no objetivo que cada uma das práticas adota. Sendo semelhantes à primeira vista, pois ambas fazem o arremesso de flechas com o auxílio de um arco, podemos observar distintamente os focos onde cada uma das práticas coloca a atenção do arqueiro.

No Tiro com Arco Ocidental o arqueiro presta especial atenção ao alvo e concentra-se em lhe acertar, poderíamos dizer que está virado para o exterior de si próprio, que procura nas causas exteriores as causas do seu insucesso. Essas ficam-se a dever às deficiência nos materiais e equipamento, assim como às condições externas a que um atirador está sujeito no momento do tiro. O aspeto desportivo e competitivo é também muito presente e enfatizado.

Por seu lado, o praticante de Kyudo, tomando em especial atenção à forma como se relaciona com as pessoas, com os locais e os equipamentos, toma uma atitude de observação interior. Almeja não apenas a precisão no tiro, mas o foco, a harmonia e a conexão entre o arqueiro, o arco e o alvo. O seu principal objetivo é acertar-se, ainda que a pretexto de acertar num alvo de papel. A tomada de consciência de si é interior, tal como as causas do insucesso do tiro, que se procuram no ser e estar autênticos do arqueiro. Os seus movimentos são deliberados, com intenção, existindo um conjunto de movimentos específicos a ser efetuado em cada tiro – o hassetsu -, que evidenciam a fluidez e precisão. A postura do arqueiro, a sua respiração e estado de espírito são elementos integrais à prática.